Professor Marcão: Dia dos Namorados

*

Não tenho nada contra datas comemorativas. Até curto algumas. Porém, o dia dos namorados é uma data que não deveria existir no calendário. Uma data voltada apenas para o consumo (nenhuma novidade). Também não tenho nada contra consumir. Adoro! Namorar é bom quando fazemos quase todo dia. Namoro se constrói. Casados também já namoraram. Casados também namoram. Tem gente que namora há mais de trinta anos e ainda não se casou. Eternos namorados. Tem gente que namora só no dia dos namorados, até meia noite, depois vira abóbora. Alguns namoram até receber o presente e logo desaparecem. Tanto ele como ela. Pura sacanagem. Namoro fugaz.

Não é por isso que não curto este dia. Tente marcar um jantar em um restaurante no dia dos namorados. Não será fácil. Em alguns restaurantes é preciso marcar trinta dias antes, e ainda enfrentar uma fila de espera de duas horas ou mais. Não há romantismo que aguente! Até o churrasquinho do Bernardo, no centro de Cotia, tem fila no dia dos namorados. Já que me lembrei do Bernardo, seu churrasquinho é uma delicia! Tente ir a um motel neste dia. Tente! Enfrentará filas e mais filas. Outro detalhe, neste dia os preços dobram ou triplicam. Há quem perca até o… com esta crise. Outra coisa, namoro é namoro. Amor é algo sublime, bem diferente de namoro. Não é preciso esta patacoada para dizer que ama alguém. Amor são gestos…

Continuo dizendo que não tenho nada contra este dia. Imagine alguém que não esteja inserido neste mercado de consumo. Mercado alucinado. Com certeza usará de recursos criativos. Encontrará a amada e lascará um abraço. Quer um presente maior do que um abraço? Encontrará a amada e lascará aquele beijo. Toda esta emoção de surpresa produz afeto. Quer algo melhor de que um beijo “caliente”? Assim deste jeito e com muita emoção, vale a pena comemorar o dia dos namorados. Fazer um jantar. Presentear com uma boa conversa. Não estou maluco. Quem poder presentear seu namorado ou namorada com um lindo relógio é muito bacana. Quem puder abrir uma boa garrafa de vinho, também é muito bacana. Não tenho nada contra o sentimento alheio. Sou a favor do afeto verdadeiro.

Se você só pode dar um abraço e um beijo também é bacana. Também é namoro. Estamos precisando tanto de afeto! Estamos precisando tanto nos acertar emocionalmente com o namoro! Acertarmos no amor! Não é um objeto de consumo que determina a intensidade de um namoro. Talvez um abraço, um beijo e uma boa conversa determinem a intensidade de um namoro muito mais! Mas uma caixa de um bom chocolate abre um sorriso intenso. É disto que estamos precisando, de alma e sentimentos verdadeiros. Colocar alma naquilo que define nossa felicidade. Vou usar de sinceridade: não se esqueça desta reflexão acima e no dia dos namorados caia no namoro com afeto.

*Marcos Roberto Bueno Martinez (Professor Marcão) é historiador de Cotia, professor de história e poeta. Escreve mensalmente no Cotia Agora. Conheça mais do trabalho de Marcão:www.cotiamemoriaeeducacao.blogspot.com