Lobão lança novo disco com rocks da década de 80

O novo disco de Lobão e os Eremitas da Montanha chegou ao Spotify em agosto. O álbum, intitulado “Antologia Politicamente Incorreta dos Anos 80 Pelo Rock”, conta com 24 hits do rock nacional da década de 80.

A inspiração para “Antologia Politicamente Incorreta dos Anos 80 Pelo Rock” é o livro “Guia Politicamente Incorreto dos Anos 80 Pelo Rock”, escrito por Lobão e lançado em 2015. A obra trata, justamente, da produção do rock no Brasil durante a década de 80.

Em “Antologia Politicamente Incorreta dos Anos 80 Pelo Rock”, Lobão é acompanhado pela Os Eremitas da Montanha, formada por Christian Dias (guitarra), Augusto Passos (baixo e voz), Armando Cardoso (bateria) e Felipe Faraco (teclados).

Músicas de Rita Lee, Lulu Santos, Capital Inicial, Ultraje A Rigor, Ira!, Engenheiros do Hawaii, Legião Urbana, Paralamas do Sucesso e Cazuza, entre outros, entraram na lista de regravações. Veja, a seguir, a capa e a tracklist de
“Antologia Politicamente Incorreta dos Anos 80 Pelo Rock”. Ouça as músicas ao final da matéria.

1. Ôrra meu (Rita Lee, 1980)
2. Planeta água (Guilherme Arantes, 1981)
3. Vítima do amor (Evandro Mesquita, 1982)
4. Nosso louco amor (Júlio Barroso e Herman Torres, 1983)
5. Certas coisas (Lulu Santos e Nelson Motta, 1984)
6. Eu não matei Joana D’Arc (Marcelo Nova e Gustavo Mullen, 1984)
7. Geração coca-cola (Renato Russo, 1985)
8. Leve desespero (Fê Lemos, Flávio Lemos, Dinho Ouro Preto e Loro Jones, 1985)
9. Louras geladas (Paulo Ricardo e Luiz Schiavon, 1985)
10. Primeiros erros (Chove) (Kiko Zambianchi, 1985)
11. Nós vamos invadir sua praia (Roger Moreira, 1985)
12. Núcleo base (Edgard Scandurra, 1985)
13. Até quando esperar (Philippe Seabra, Gutge e André X, 1986)
14. Dias de luta (Edgard Scandurra, 1986)
15. Toda forma de poder (Humberto Gessinger, 1986)
16. Pânico em SP (Clemente Nascimento, 1986)
17. Eu sei (Renato Russo, 1987)
18. Vida Bandida (Lobão e Bernardo Vilhena, 1987)
19. Virgem (Marina Lima e Antonio Cícero, 1987)
20. Esfinge de estilhaços (Lobão, 1988)
21. Quase um segundo (Herbert Vianna, 1988)
22. Somos quem podemos ser (Humberto Gessinger, 1988)
23. O tempo não para (Arnaldo Brandão e Cazuza, 1988)
24. Lanterna dos afogados (Herbert Vianna, 1989)
25. Azul e amarelo (Lobão, Cazuza e Cartola, 1989)

Por Igor Miranda – Whiplash.net