Crise hídrica faz Sabesp antecipar obras previstas para 2035

Mesmo com um pequeno aumento nos níveis dos reservatórios que abastecem São Paulo, o Estado ainda não conseguiu se livrar da crise hídrica. Isso fará o governo de Geraldo Alckmin (PSDB) antecipar obras que estavam previstas apenas para 2035.

Esses projetos constam do plano diretor de abastecimento da metrópole, feito em 2005 pela Sabesp e revisto a cada dez anos. A medida prioritária é a construção de um conjunto de adutoras que levará maiores volumes de água a regiões atendidas pelo Sistema Cantareira.

Antes da crise, a água do manancial atendia a cerca de 9 milhões de pessoas na região metropolitana, na zona norte e partes das zonas leste, oeste, central e sul da capital. Atualmente, abastece 5,3 milhões. A diferença tem sido compensada com água de outros reservatórios, como Guarapiranga e Alto Tietê. A proposta é aumentar o alcance dessas integrações.

As obras poderão ser concluídas em cerca de cinco anos, dependendo do ritmo dos estudos e da verba disponível. Por isso, não devem contornar a crise imediatamente.

Da Folha de S. Paulo