Comércio de Cotia reabre parcialmente, mas muitas lojas faliram na quarentena

Finalmente parte do comércio de Cotia, que estava há quase três meses fechado devido à quarentena do coronavírus, reabriu nesta segunda-feira (15).

O clima era de dúvida em relação ao futuro e muitos contando o prejuízo. Várias lojas da região central, Portão e Atalaia não resistiram ao fechamento e faliram.

Os que abriram, estavam em um momento de readaptação, com menor número de funcionários e até estoque de produtos. Nossa reportagem deu um giro na parte da manhã pela cidade e, conversando com alguns comerciantes e funcionários, um sentimento era unânime, de alívio por voltarem a trabalhar. Porém, as contas se acumularam, tanto para patrão, como para empregados.

Entre tantos relatos de ambas as partes, situações tristes de pessoas que ainda tem muitas contas pendentes, venda de veículos para pagar dívidas, familiares despedidos de seus empregos, enfim, foram quase 90 dias de sentimentos diversos.

Cinco comerciantes que toparam falar com a gente tiveram os mesmos problemas, ter que demitir funcionários e muita negociação de dívidas com fornecedores, bancos, donos de imóveis e empregados.

Mas, todos concordam que, apesar da pandemia ainda não estar controlada, era necessária a reabertura e criticaram a falta de atitude por parte dos governantes, que não souberam lidar com a crise.

Portas fechadas e prejuízos

Muitos comércios desapareceram com a crise. Portas foram fechadas, empregos perdidos e acúmulos de dívidas. Para se ter ideia do estrago que a quarentena fez no comércio cotiano, somente em uma pequena rua do Centro, a Baptista Cepellos, contamos seis comércios que baixaram as portas.

Alguns desses empresários vão tentar daqui a algum tempo reabrir em outro ponto, mas muitos simplesmente “quebraram” e não conseguirão se reerguer. Um triste cenário no comércio da cidade, que já não conta com o apoio das autoridades e órgãos do ramo.