Aplicativos previnem danos à visão

Aplicativos gratuitos na internet bloqueiam a luz azul das telas eletrônicas que provocam danos irreversíveis à visão, insônia e ganho de peso.

Atire a primeira pedra quem nunca perdeu o sono usando computador, tablet ou celular à noite. Uma recente pesquisa realizada com 814 participantes pelo oftalmologista Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier, mostra que 31% das pessoas têm dificuldade para dormir. Outros estudos vêm sendo realizados para esclarecer porque a insônia se tornou um mal da atualidade.

O especialista diz que a luz azul emitida pelas telas eletrônicas é a mesma que predomina durante o dia. Por isso, avisa nosso cérebro que devemos manter o estado de alerta. Resultado: diminui a produção da melatonina, hormônio indutor do sono que só é secretado no escuro.

“A epidemia de pessoas acima do peso também está relacionada a um estilo de vida cada vez mais digital”, pondera. Isso porque, noites mal dormidas levam ao ganho de peso.

Os problemas não param por aí. O oftalmologista ressalta que de acordo com diversas pesquisas a luz azul também pode causar catarata, opacificação do cristalino. Não por acaso, há alguns anos a cirurgia pode ser feita com lentes intraoculares que filtram este comprimento de luz, além do ultravioleta. A longo prazo também provoca danos na retina que levam à perda definitiva da visão.

Aplicativos

A boa notícia é que hoje existem vários aplicativos disponíveis para download gratuito na internet que diminuem a exposição à luz azul. Queiroz Neto ressalta que embora não haja uma comprovação definitiva do quanto estes aplicativos são eficazes, é certo que o nosso relógio biológico é regulado pelo claro e escuro. Ele afirma que além da intensidade, a cor da luz influi no estado de vigília. Outro fator que altera a reação visual a estes filtros é a idade.

Isso porque, conforme envelhecemos o cristalino fica amarelado e uma quantidade menor de luz azul penetra nos olhos. Nem é preciso dizer, ressalta, que crianças e adolescentes ficam mais agitadas quando expostas às telas eletrônicas ao anoitecer do que os adultos.

Dos aplicativos gratuitos disponíveis na internet, o especialista destaca o f.lux. Isso porque, além de modular a temperatura da luz conforme o horário do dia, roda tanto no Windows como no Mac ou no Linux.

Os celulares e tablets Android têm mais alternativas. Todas elas, incluindo as opções de aplicativos para iphones e iPads podem ser encontradas no http://alternativeto.net/software/f46lux/

Para quem não quer se arriscar a dica do oftalmologista é apostar nas telas de proteção, óculos com lentes laranja ou lentes de grau especiais que já vêm com filtro azul. Independente da opção adotada, o médico diz que embora ainda não tenham surgido casos de pessoas que perderam a visão em decorrência da alta exposição à luz azul das telas eletrônicas é melhor prevenir o problema, já que uma vez instalado é irreversível.