Symphony X celebra 25 anos com show especial em São Paulo

O Symphony X, um dos principais representantes do metal progressivo mundial, anunciou recentemente nova turnê pela América Latina em agosto para celebrar seus 25 gloriosos anos de estrada.

Como não poderia ser diferente, São Paulo é uma das principais capitais do Mundo a receber a majestosa performance da “25th Anniversary Latin American Tour 2020″.

O show está confirmado para o dia 29 de agosto, na Tropical Butantã, em São Paulo. Este é mais um evento Top Link Music, em parceria com a Rádio & TV Corsário.

Os ingressos já estão à venda pelo site da Bilheto (https://bilheto.com.br/evento/178/Symphony_X) e pontos autorizados. Mais informações no serviço abaixo.

No repertório, Russel Allen (vocal), Michael Romeo (guitarra), Michael Pinnella (teclado), Michael LePond (baixo) e Jason Rullo (bateria) prometem um setlist bastante especial, reunindo os maiores clássicos da banda por todos esses anos de carreira.

Será uma grande oportunidade para os fãs da América Latina, pois a turnê garante momentos únicos e inesquecíveis, com apresentações impressionantes.

Criado pelo guitarrista Michael Romeo, o Symphony X surgiu em Nova Jersey (EUA), em 1995. Por todos esses anos, gravaram álbuns adorados pelos fãs.

Com uma mistura inovadora de heavy metal, rock progressivo e sons neo-clássicos pesados, Romeo e seu companheiros começaram com um álbum de estreia (lançado no Japão em 94 e mundialmente em 95) que iniciou a jornada da banda em criar um modelo para geração mais jovem de rock progressivo.

“The Damnation Game” (1995) marca o início da segunda formação da banda: com o vocal carismático, profundamente emocional e implacavelmente agressivo de Russel Allen; “The Divine Wings Of Tragedy” (1977) teve como ênfase a abordagem progressiva da banda, e ainda é considerado como a maior obra prima do Symphony X; “Twilight in Olympus” (1998), revisitou os aspectos clássicos do grupo com sua ‘Sonata’ instrumental (baseada na sonata para piano No. 8, “PathÉtique”, de Ludwig van Beethoven); “Via V: The New Mythology Suite” (2000), um álbum conceitual para a virada do milênio, abordando o mito de Atlanta; “Live on The Edge Forever” (2002), foi a prova visual de que a banda poderia transportar com facilidade materiais complexos para o palco. “The Odyssey” (2002), inspirado por um poema do inglês John Milton, é conhecido como o álbum mais agressivo da banda até então; “Paradise Lost” (2007), é considerado o trabalho mais obscuro e gótico da discografia do grupo.

Seja pela genial escrita e execução de Michael Romeo, incubando seus pensamentos por exatos quatro anos desde o último estrondoso álbum da banda, “Iconoclast” (2011), ou a ou as batalhas heroicas de saúde do baterista Jason Rullo, se recuperando de uma parada cardíaca em 2013, ou simplesmente a maturidade da banda em segurar um lineup de rock sólido nos últimos 25 anos, o Symphony X atingiu um alto nível de maturidade em seu nono álbum, chamado “Underworld” (2015).