Quais as chances de a minha cidade ser atingida por um tornado? Entenda

A ocorrência de tornados no Brasil não é um fenômeno tão raro como muita gente imagina e já foi registrada em todas as regiões do país. Segundo especialistas consultados pelo UOL, nenhuma região está imune a um evento desse porte, embora existam áreas com riscos de eventos em maior intensidade, como é o caso de Xanxerê (SC), onde um tornado deixou dois mortos e atingiu mais de 10 mil pessoas.

“É pouco provável, mas pode [ocorrer em qualquer local]. A região tropical e a zona temperada são mais favoráveis para os tornados. E 90% do Brasil está nessa região favorável”, disse o chefe da Previsão do Tempo do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), Luiz Cavalcanti.

Em 2014, quatro municípios brasileiros decretaram situação de emergência por conta de tornados: Erebango, Restinga Seca e Tapejara, no Rio Grande do Sule São Joaquim, em Santa Catarina.

Segundo o meteorologista, apesar de haver a chance de tornados ocorrerem em qualquer lugar do país, há Estados do Sul que são mais propícios ao fenômeno.

“Quando as massas frias chegam ao Sul, chegam com mais intensidade que no Nordeste, por exemplo. No caso de encontrar uma massa quente, o contraste térmico é grande e, com a muita umidade, torna a atmosfera instável. Não digo que uma massa fria não chegaria ao Nordeste, mas chega com menos intensidade”, afirmou.

Cavalcanti disse que recentemente houve casos de tornados e trombas d’água (que são os tornados quando formados em superfície líquida) registrados em Manaus, Recife e Brasília, mas todos com baixa intensidade.

“A única coisa que o Brasil não tinha era furacão, e em 2004 tivemos em Santa Catarina. Na meteorologia, diz-se que, se uma coisa ocorreu uma vez, ela pode ocorrer de novo. O tornado é um fenômeno de curta duração e de média ou pequena escala, que se forma em segundos, minutos, e logo desaparece. Mesmo sendo um tornado fraco, ele causa um estrago. Já o furacão é de grande escala, atinge muito mais área, mas o poder de destruição é menor”, afirmou.

O meteorologista afirmou ainda que o Brasil não está pronto para ocorrências extremas.

“Há algumas regiões que deveriam ser modificadas. É preciso ter cuidado nesse aspecto, e a engenharia deve levar isso em conta. Se um tornado pegar aquelas construções fracas, aquelas barraquinhas do MST, não sobra nada. A ocupação do solo deveria ser planejada para situações adversas”, disse.

Casos desde 1938

Segundo o pesquisador aposentado do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e da Universidade Federal de Alagoas Luiz Carlos Molion, os tornados no Brasil ocorrem há pelo menos 77 anos e são registrados normalmente entre os meses de abril, maio, outubro e novembro.

“Temos tornados ou descrições deles desde 1938, quando ocorreu em Canoinhas, em Santa Catarina, e que foi descrito por uma folha quinzenal que tinha lá. Sempre ocorreu, só que antes a população era pequena e os meios de comunicação, difíceis”, disse.

De acordo com Molion, não existem áreas totalmente livres de riscos, mas há aquelas suscetíveis a eventos mais intensos e destruidores.

“A região em que mais acontece é no lado oeste do Rio Grande do Sul, de Santa Catariana, do Paraná, de São Paulo e até do Mato Grosso do Sul. Mas também pode ocorrer na Amazônia, em geral em cima do rio, e no Nordeste, em cima do oceano, como já ocorreu no Recife e em Alagoas. Mas esses são mais fracos. O que teve em Santa Catarina teve categoria F2, com ventos superiores a 250 km por hora”, disse.

Por Carlos Madeiro – Uol