Praça Japonesa de Cotia será demolida e dará lugar a marginal e terminal de ônibus

O abandono da Praça Japonesa de Cotia está com os dias contados. O Cotia Agora obteve informações através de uma fonte envolvida nas negociações sobre o futuro da praça, de que ela será demolida e no local haverá o prolongamento da marginal da Raposo Tavares, paralelo à rodovia e a construção de um mini terminal de ônibus e vans do transporte alternativo. A via que circunda a praça, a Rua da Glória, ficará como uma rota local, como era antigamente, antes da duplicação da Raposo.

A praça está interditada desde 2012 pelo Ministério Público por falta de acessibilidade. De lá para cá, o abandono tomou conta do local, com o crescimento de mato, virando depósito de lixo e abrigo de moradores de rua, drogados e ponto de encontro de casais para relações sexuais.

O ponto máximo deste abandono foi o incêndio ocorrido em fevereiro de 2013, com a destruição total da Casa de Chá, onde acredita-se que o fogo tenha sido colocado propositadamente por algum vândalo.

Em junho de 2013 houve o encontro de representantes da prefeitura com os arquitetos Motoi Tsubouchi e Vicente Bicudo, onde foi apresentado um novo projeto de readaptação da praça incluindo vagas para carro e previsão de ordenação do fluxo de veículos no logradouro, uma das grandes reclamações da população. Mas, o projeto não vingou.

Projeto apresentado em junho de 2013
Projeto apresentado em junho de 2013

Neste tempo, moradores mostraram a indignação pelo abandono da praça e até um grupo foi criado no Facebook para debater o tema. A comunidade japonesa da cidade também cobrou atitudes do poder público para que houvesse uma solução.

Sem reforma e a presença constante de mais pessoas no interior da praça, principalmente à noite, um grupo de moradores resolveu fazer em 27 de abril de 2014 um ‘abraço solidário’ para chamar a atenção das autoridades sobre a situação do local.

Outro projeto foi feito para a revitalização da praça, porém, na semana passada ele foi suspenso até uma definição total sobre o caso, conforme publicou o jornal Diário da Região Edição Raposo-Castello na última terça-feira.

Na semana passada a prefeitura enviou funcionários na praça para a limpeza, poda do mato e a retirada de todo o material que estava dentro, levado pelas pessoas que lá estavam morando.

Com a possível demolição, todo o material contido na praça, como madeiras, telhas e os bustos que restaram após atos de vandalismo, serão guardados até uma definição do que será feito com eles.

Trânsito complicava a entrada de pessoas na praça
Trânsito complicava a entrada de pessoas na praça

Praça Japonesa

Ela foi pré-inaugurada em 1988, com a presença de autoridades locais e japonesas, vindas da cidade de Ino, província de Kochi, no Japão. Conhecida como Praça da Amizade, como marco da ligação das cidades irmãs (Cotia-Ino), foi construída pelo ex prefeito Ivo Mário Isaac Pires para homenagear a colônia nipônica da região, na altura do Km 31,3 da Raposo Tavares. Sua entrega definitiva foi em 10 de julho de 1994.

Incêndio em fevereiro de 2013 destruiu casa de chá
Incêndio em fevereiro de 2013 destruiu casa de chá
Vista da praça em 2012, no Festival do Japão realizado no local.
Vista da praça em 2012, no Festival do Japão realizado no local.

 

9 comentários em “Praça Japonesa de Cotia será demolida e dará lugar a marginal e terminal de ônibus

  • 01/02/2015 em 12:13
    Permalink

    Vergonha que vergonha, mais um terminal para a Danúbio guardar seus ônibus,já temos um que não funciona serve apenas de garagem para a Danúbio,tem mais passageiros no centro da cidade do que lá ou eu estou falando besteira? Já não temos praça, pois falando em praça que praça é aquela da matriz que coisa é aquela? Mas graças a Deus que o parque Cemucam ainda sobrevive, graças à prefeitura de São Paulo,pois se fosse de Cotia já haveria se tornado um verdadeiro condomínio de luxo…

  • 31/03/2015 em 00:45
    Permalink

    A cidade já é tão linda (estou sendo irônico), em vez de arrumar e deixar melhor do que era antes, vão dar espaço para mais veículos, as vezes sinto vergonha de ser brasileiro. Ô país que ñ tem jeito, é 1 passo pra frente e 10 pra trás. Só um conselho gente que realmente quer mudança nesse país, estudem, porque as regras criadas pelos alto escalão foram feitas para tirar vantagem de pessoas como nós brasileiros que estamos acostumados a deixar pra lá, somente os que estão no topo conseguirão mudar este país, e só estudando vc consegue alcança-los.
    Eles sabem que a maioria é ignorante e vai culpar um político qualquer, então as pessoas protestam e nada muda, enquanto isso o alto escalão estão rindo dos ignorantes.
    “A opinião dos outros sobre você não tem que virar a sua realidade”

  • 22/04/2015 em 18:33
    Permalink

    Aleluia vão demolir essa coisa feia

    ate que enfim cotia não precisa disso

  • 19/06/2015 em 19:36
    Permalink

    Realmente fico inconformada com isso, nasci em cotia e fui 2 vezes na praça com amigos, saber que ela será demolida pra colocar um mini terminal que não vai ajudar em nada a cidade, já que o fluxo de pessoas fica em outro ponto. Todo o dinheiro da demolição e construção do mesmo da pra reformar a praça e ainda colocar segurança no local. Pra uns pode ser feiosa agora pois nunca viu como era antes, cotia mal tem pontos turísticos conhecidos, e agora vamos perder algo que como falou o texto acima a ligação cotia-Ino. É uma vergonha, quer tirar a praça tira mais pelo menos arrumar aquela “praça” da Matrix que nem sombra ou banco tem direito e final de semana vira estacionamento, era pra ter uma fonte cadê a fonte, os moradores de rua continua lá e até onde eu sei ele tem acesso a parte inferior da praça(uma porta que fica na lateral, já vi vários entrando e saindo do mesmo).
    Tenho certeza que a praça japonesa estivesse na granja viana ela está reformada!

  • 02/07/2015 em 20:07
    Permalink

    Como disse nosso amigo João Carlos, ainda bem que o Cemucam não pertence a prefeitura de cotia, porque seria sim com certeza um grande condomínio,trazendo para nossos políticos mais impostos mais comércio na região e assim mais dinheiro para prefeitura e assim seria revertido para escolas saúde etc (será).

  • 24/07/2015 em 18:17
    Permalink

    Não Precisamos desse Micro terminal e sim de mais ônibus principalmente da linhas que saem do Atalaia, quem mora ali nos entornos do Km 32, da praça e acredito q tambem antes do centro sofrem todos os dias com superlotação, vamos todos que nem Sardinha enlatada pq o ônibus já vem forrado de gente la do Atalaia e gente saindo até pelo escapamento do ônibus. Dizem que Cotia e a cidade das Rosas, mas essa prefeitura so planta espinho pra população se estrepar, Cultura e lazar não e só rodeio não, tem que ser constante, temos que ter espaço pra andar com nossas crianças e mais onibus pra levar o trabalhador pro seu local de trabalho.

  • 29/07/2015 em 11:29
    Permalink

    Concordo plenamente e digo mais, a cidade é abandonada, os jovens de Cotia não tem o que fazer por aqui e vão construir mais um terminal para que? Por favor, fala sério. Já não basta o terminal de ônibus de Cotia que não serve para nada, aliás serve sim de garagem de ônibus da Danúbio Azul. Vergonha estão acabando com a cidade,enormes condomínios de luxo, a cidade sem saúde, escola, outro dia vi no km 26 o posto de saúde do bairro caindo e abandonado no meio de um rio sujo e poluído. Vergonha Sr. prefeito de Cotia, e engraçado ainda o campo de futebol tá arrumado o bar do campo todo arrumado, vergonha.

  • 30/07/2015 em 22:17
    Permalink

    O que tem a ver com a cultura nessa cidade, ninguém da valor,o que importa é o comodismo da população e dos governantes…..Uma vergonha também as demais praças que existem nos bairros vizinhos,do Sabiá,do Ipê,do Portal da Primavera, parece um quarto de tão pequeno,enfim aonde vai parar o dinheiro tão alto do IPTU, multas nessa cidade….não precisam responder……

  • 09/09/2015 em 13:15
    Permalink

    Não reformam pq não querem, quando duplicaram a rodovia a praça já existia e não pensaram como seria difícil o acesso? deixaram pra que houvesse a degradação e virar desculpa para uma nova obra, afinal como iriam justificar mais e
    mais despesas (pra não dizer outra coisa), nossas criancas precisando de áreas de lazer, e a prefeitura fazendo terminais de lotação …

Fechado para comentários.