Neil Young segue os passos de Bob Dylan e vende metade de seu catálogo

O americano-canadense Neil Young vendeu 50% dos direitos de seu catálogo para o fundo de investimento Hipgnosis, um novo sinal de uma tendência que ganha espaço na indústria musical, um mês após a aquisição da Universal Music das canções de Bob Dylan.

Segundo a BBC, a transação, que inclui 1.180 músicas compostas pelo artista de 75 anos, totalizaria US$ 150 milhões (aproximadamente R$ 800 milhões), valor que não foi confirmado pelo Hipgnosis Songs Fund Limited.

No início de dezembro, a Universal Music desembolsou US$ 300 milhões (aproximadamente R$ 1,6 bilhão), de acordo com uma estimativa do New York Times, para adquirir os direitos do catálogo do lendário Bob Dylan.

“Temos integridade, espírito e paixão comuns que nascem da fé na música e nessas canções importantes”, disse o fundador da Hipgnosis, Merck Mercuriadis, em um comunicado.

Criado no início de 2018 por Mercuriadis, ex-empresário de vários gigantes como Elton John e Iron Maiden, o fundo Hipgnosis abriu o capital na Bolsa de Valores de Londres naquele mesmo ano.

Desde então, garantiu os direitos do produtor americano de sucesso Timbaland e do cantor Barry Manilow, entre muitos outros músicos.

A empresa já levantou £ 625 milhões (aproximadamente R$ 4,5 bilhões) de investidores, de acordo com seu site oficial, e controla os direitos de dezenas de sucessos, incluindo “Shape of You” de Ed Sheeran e “Uptown Funk!”, de Bruno Mars.

Outros veículos de investimento, como Concord ou Primary Wave, se juntaram a essa competição, que também envolve grandes gravadoras, como a Universal Music.

O apetite dos investidores por direitos musicais é em grande parte devido ao aumento do streaming, que abriu oportunidades para uma indústria que buscava um novo modelo de negócios no início dos anos 2000.

Membro de bandas lendárias como Buffalo Springfield e Crosby, Stills, Nash & Young, Neil Young é um músico camaleão que tocou muitos estilos, como folk, rock, grunge, country e blues.

Embora ele só tenha liderado as paradas nos Estados Unidos uma vez com “Heart of Gold” (1972), suas canções deixaram uma marca na cena musical americana.

Do Uol