Moradores de Cotia já pagaram R$ 121 milhões de impostos no ano

Osasco e Barueri lideram a arrecadação. No País, pagamentos ultrapassaram R$400 bilhões ontem.

Os contribuintes das oito cidades da região Oeste já pagaram, este ano, R$ 1,1 bilhão em impostos. A marca foi alcançada na manhã de ontem, mesma data em que o Impostômetro – marcador, em tempo real, de arrecadação, mantido pela Associação Comercial de São Paulo – ultrapassou a marca de R$ 400 bilhões coletados em todo o País.

Em 2015, esse valor – que representa o total de impostos, taxas e contribuições pagas pelos brasileiros desde o começo do ano – foi atingido dia 10 de março, o que aponta ligeiro aumento da arrecadação nominal de tributos.

O levantamento inclui tributos e taxas municipais, estaduais e federais. A entidade aponta ainda que, com esse montante, seria possível construir mais de 351.864 quilômetros de estradas asfaltadas; ou mais de 29.322.006 salas de aula equipadas ou ainda comprar 5.026.630 ambulâncias equipadas. Essa arrecadação também seria suficiente para pagar 27.019 meses a conta de luz de todos os brasileiros ou fornecer mais de 2.890.312.010 de benefícios do programa Bolsa Família.

Nas cidades da região Oeste, quem paga mais impostos são os moradores de Osasco e de Barueri. Foram, até agora, R$ 350 milhões em cada uma delas. Em terceiro lugar vem Santana de Parnaíba, onde a arrecadação de impostos soma, entre 1º de janeiro e 9 de março deste ano, R$ 124 milhões. Ela é seguida de perto por Cotia, onde a arrecadação, nesse período, foi de R$ 121 milhões. Itapevi aparece na sequência, com R$ 85 milhões arrecadados em tributos. Em Carapicuíba, foram mais R$ 75 milhões. E, Pirapora do Bom Jesus fecha a lista com R$ 6 milhões.

No primeiro trimestre do ano, a carga tributária é mais pesada, no bolso do contribuinte, porque inclui pagamentos como o IPVA, que pode ser quitado à vista ou em três parcelas – janeiro, fevereiro e março – e ainda o IPTU, que além do pagamento parcelado, também oferece a opção à vista, geralmente com vencimento em fevereiro ou março, de acordo com a cidade.

Por Erica Celestini – Webdiario