Lucio Cândido Rosa aborda: Mandamentos da Lei de Deus. 6º mandamento: “Não cometereis adultério”

Caro Leitor!
“Aprendestes o que foi dito aos antigos: Não cometereis adultério”, e acrescenta: “mas eu vos digo que todo aquele que tiver olhado uma mulher com mau desejo por ela, já cometeu adultério com ela, em seu coração”, conforme Evangelho de São Mateus, cap. V, vs. 27 e 28.

Adulterar quer dizer: cometer adultério (infidelidade conjugal); falsificar, corromper, contradizer.
Geralmente, quando pensamos em adultério, vem a nossa mente, traição por um dos cônjuges que se uniram em matrimônio, infidelidade conjugal.

Ele se referia ao adultério propriamente como quebra da lealdade, da sinceridade, do amor que deve permear o relacionamento afetivo de duas pessoas, que se comprometeram a construir juntos, uma relação estável.
Há uma separação brusca e unilateral, que certamente, causará desequilíbrio na pessoa que foi traída em todas suas aspirações de felicidade junto a seu parceiro (a), levando-o (a) ao desespero, dor, sofrimento, quando não a sentimentos de ódio e vingança.

Todos esses sentimentos, profundos, a acompanharão por muitas encarnações até que consiga superá-los.
Porém, analisando bem, quando Jesus fala em adultério, Ele também se refere a quaisquer situações que envolvam falsificação ou corrupção.

Assim, adulteramos quando não falamos a verdade sobre assuntos do cotidiano, quando falsificamos formulas de medicamentos, de alimentos industrializados (prejudicando a saúde alheia), modificando a consistência de produtos de uso pessoal, brinquedos, etc….

Hoje, a ganância pelo poder e pela riqueza traz também, falsificação de documentos, resultados de pesquisas diversas, em vários setores, que acabam influindo negativamente em nossa existência.
A mídia em geral: internet, jornalismo escrito e falado, revistas, folhetins, muitas vezes nos conduzem a erros irreparáveis.

A palavra FAKE é corriqueira entre nós e se vulgarizou tanto, que confundimos FAKES como verdade ou vice-versa, de acordo com o poder de expressão de quem “nos fala”.

Marcos, no cap. VIII, V.s. 38, faz menção das palavras do Mestre, em uma passagem do evangelho que diz: “Porque se alguém se envergonhar de mim e de minhas palavras entre esta raça adúltera e pecadora, o Filho do Homem se envergonhará também dele quando vier acompanhado dos santos anjos na gloria de seu Pai”.
Nessas duas citações consideramos que Jesus inseriu a linha de pensamento, que é um elemento subjetivo e de grande importância para nosso processo evolutivo.

Ao afirmar que basta pensar no ato para ser considerado como tendo-o praticado, o Mestre nos faz refletir sobre a importância de nossos pensamentos e a sua repercussão.

A física quântica nos traz grande esclarecimento sobre energia quando pensamos, enviamos energia ao Universo, e de uma maneira ou outra plasmamos esses pensamentos, seguidos de nossos sentimentos.
Sabemos que pensamos o que sentimos, e é aí que deve residir nossa verdadeira pureza, porque nossos atos poderão ser controlados, conforme os interesses envolvidos em determinada ação.

Jesus sempre pregou a pureza de coração, onde costumamos dizer que residem nossos verdadeiros sentimentos, mesmo porque, se pensamos coisas boas, ficaremos impregnados de bons fluidos, trazendo-nos saúde e bem-estar. Se nossos pensamentos forem menos puros, receberemos toda carga de fluidos negativos, que poderão certamente, resultar em desequilíbrios e até doenças.

Com os esclarecimentos dos Espíritos, concluímos que se os pensamentos não são puros, é porque o espírito ainda está a caminho da evolução plena.
Se quisermos dar mais um passo na escala evolutiva, devemos vigiar cada vez mais a qualidade do que pensamos, e procurar passo a passo concretizar nossa reforma íntima, sendo sinceros nas avaliações sobre nossos sentimentos e ações praticadas.
E, além de vigiar, não devemos nos esquecer de orar, pedindo o auxílio de amigos espirituais, que estarão sempre prontos a nos intuir em momentos de indecisões, de falta de fé e de fraquezas.
Em resumo, Jesus nosso Mestre, nosso Irmão, nos ensinou: – “Bem-aventurados aqueles que tem puro o coração, porque deles é o reino dos céus. ”
Muita paz a todos!

* Lucio Cândido Rosa escreve quinzenalmente sobre espiritismo e espiritualidade no Jornal Cotia Agora. Quer enviar sugestão de algum tema para que ele aborde? Envie para o email [email protected]