Implante de peitoral é sucesso entre os homens

Vaidade não é mais assunto exclusivo do universo feminino há algum tempo.

Atualmente, os homens também procuram por tratamentos para pele, cabelo e depilações. Essa tendência foi transmitida para as cirurgias plásticas, e muitos, atualmente, optam por implantes de silicones para proporcionar uma forma mais saudável em diferentes regiões do corpo, como tórax, coxas, bíceps e tríceps.

Esse tipo de operação é uma forma praticamente instantânea de adquirir a aparência de músculos tonificados, já que através de exercícios de musculação o processo se torna muito mais demorado. Segundo Alderson Luiz Pacheco, cirurgião plástico com atuação em Curitiba, é cada vez mais comum homens procurarem a cirurgia plástica para melhorar a autoestima. “O implante de silicone faz mais sucesso na faixa dos 25 a 40 anos de idade, pois, além da procura pela melhoria estética, existem muitos casos em que há ausência ou redução das fibras musculares do peito (chamada de Síndrome de Poland), o que impede o crescimento deste músculo”, conta o médico.

Ao contrário dos implantes de silicone para seios femininos, que são redondos ou em forma de gota, os para o peitoral masculino são quadrados, além de serem mais firmes e rígidos. “A cirurgia realizada nos homens é bem diferente, desde a incisão, que é feita na axila. Nas mulheres, as próteses podem ser retro-musculares ou retroglandulares, e, no caso masculino, sempre serão retro-musculares, salvo em casos específicos em que não se tem o músculo”, afirma Pacheco.

O  cirurgião ainda explica que, embora a cirurgia ser tranquila, durando, aproximadamente, 30  minutos, quem se submeter ao procedimento deve se atentar à recuperação. “Não se pode elevar os braços por 21 (a não ser para passar o desodorante), já que o cotovelo não deve ultrapassar os ombros. Por isso, não se pode dirigir neste período, além de ficar pelo menos três meses sem fazer exercícios que usem os braços e os peitorais”, pontua. Assim como o caso dos implantes femininos, que exigem acompanhamento após o procedimento, é necessário trocar o silicone de peitoral há cada 10 anos, segundo o profissional.

*Dr. Alderson Luiz Pacheco (CRM-Pr 15715)Cirurgião Plásticowww.alplastica.com