ESTREIA- “Contos & Causos de Cotia”: Região do Morro Grande já teve senzala e alambique

O Jornal Cotia Agora lança a coluna “Contos & Causos de Cotia”, onde abordaremos histórias e estórias de nossa cidade, sempre, é claro, contadas por um morador mais antigo, relatando curiosidades que fizeram e fazem parte de Cotia.

Duas construções passam despercebidas por quem circula pela Estrada do DAE, na região do Morro Grande.

São alguns esqueletos de cimento e tijolo que sobraram de duas construções do século passado. Não se tem a época exata, mas, a senzala pode ser da década de 10. Já o alambique, entre as décadas de 30 e 50.

As informações e histórias foram contadas por José Rafael Miguel, ex diretor da Defesa Civil de Cotia, ao repórter Beto Kodiak, em outubro de 2010. Na época, eles fizeram um giro por pontos da cidade e na região do Morro Grande (bairro onde Rafael viveu boa parte de sua vida), e muitas histórias foram contadas.

A senzala ainda tem, segundo Rafael, paredes com resquícios de arquitetura colonial e fazia parte da propriedade de uma família rica da época. Ali, naquela construção, ficavam abrigados os escravos que trabalhavam nas plantações da família. Está bem escondida no meio do mato.

Já o alambique (que segundo um dos antigos moradores do bairro, Ed Carlos, presidente do E.C. Cachoeira da Graça, é conhecido pelo povo como engenho), que fica na mesma estrada, era local de fabricação de bebidas e o que restou da antiga construção foi apenas um reservatório da bebida, bem nas margens da via. Na época, segundo Rafael, não havia a estrada, mas uma trilha. O alambique tinha outras edificações, que com o passar do tempo, foram demolidas. Ao lado do reservatório há uma construção, que era usada para lavar roupas e outros objetos, já que ali próximo há uma lagoa. Veja imagens abaixo:

Senzala 

senzala1 senzala2 senzala3 senzala4

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alambique

A construção maior e a menor faziam parte do alambique, segundo Rafael e engenho, segundo Ed Carlos.
A construção maior e a menor faziam parte do alambique, segundo Rafael e engenho, segundo Ed Carlos.
Segundo Rafael, esta peça seria para, entre outras coisas, lavar roupas. Vejam as ranhuras.
Segundo Rafael, esta peça seria para, entre outras coisas, lavar roupas. Vejam as ranhuras.
Parte do reservatório de bebidas
Parte do reservatório de bebidas