Estreia coluna de Iris Neves: Dicas valiosas para você se destacar nas entrevistas de emprego

Processos Seletivos

Processos seletivos podem ser o grande pavor do candidato que está à procura de uma oportunidade de trabalho, afinal, essa etapa é a única coisa que o separa da tão sonhada vaga. Você com certeza já passou por isso e vai se identificar: etapas de testes online, dinâmicas de grupo, envio de cases, até que chega o momento da entrevista com o recrutador. Essa é a fase que mais assusta e gera insegurança nos candidatos, e estar preparado é essencial para se sair bem.

Neste artigo, eu vou te contar alguns segredos (que talvez não sejam tão secretos assim, mas que ainda podem gerar dúvidas) e que com certeza vão te dar uma vantagem frente aos outros candidatos.

Conheça o recrutador antes da entrevista

O mundo da internet e redes sociais trouxe muitas facilidades para o nosso dia a dia, e uma delas é que hoje conseguimos conhecer pessoas que jamais conseguiríamos em tempos atrás. Se eu quiser saber o nome do gato da vizinha do final da rua, basta dar um clique no perfil de Instagram dela e lá estará a gatinha Judith. Provavelmente você não quer saber o nome do gato do recrutador, mas com certeza existem outras informações que podem ser relevantes. Para isso, o Linkedin é uma ótima ferramenta. Você consegue saber a formação, experiências profissionais, competências, habilidades, ler artigos e publicações, e até mesmo saber sobre os trabalhos voluntários que o recrutador fez. Todas essas informações podem te ajudar a encontrar interesses em comum, criando uma conexão maior entre você e o recrutador.

Sabe a biblioteca gigante daquela faculdade que você sempre achou sensacional e que agora você sabe que é a mesma faculdade que o recrutador se formou, aquele curso que você tem interesse em fazer, aquela ONG que você se interessa, ou alguma curiosidade sobre algum dos artigos que o recrutador publicou? Então, esse é o tipo de interesse que pode aumentar a sua conexão com o recrutador no momento da entrevista.

Você precisa ser lembrado por mais do que os lugares em que trabalhou e a faculdade em que você estudou, afinal, talvez essas coisas não sejam o suficiente para te diferenciar. Conseguir com que o recrutador encontre identificações com você pode ser uma maneira de ser lembrado na decisão final. É importante ter em mente que a intenção é buscar pontos em comum de forma genuína e saber como trazê-los para a conversa durante a entrevista, então nem pense em mentir sobre seus interesses só para encontrar algo em comum com ele pois isso pode apenas prejudicá-lo.

Converse com os demais candidatos

Com a taxa de desemprego cada vez maior e o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, é natural que você passe a enxergar os outros candidatos como inimigos. Mas lembre-se que do outro lado também existe uma pessoa que criou expectativas em relação à posição, estudou sobre a empresa, se preparou, pediu sorte para a família quando saiu de casa pela manhã, pegou trânsito para conseguir chegar no horário correto, teve crises de ansiedade à noite, e está tão inseguro quanto você. Então faça o que gostaria que fizessem por você: seja empático!

Ao chegar, cumprimente todos, pergunte genuinamente como eles estão. Se você se sentir confortável, procure conhecer mais sobre eles. Pergunte onde moram, com quem moram, o que gostam de fazer no tempo livre, o que fizeram no final de semana. Enfim, tente criar uma relação com os demais candidatos. Isso fará com que eles se sintam mais confortáveis e seguros e, acredite, fará com que você também se sinta mais confortável e seguro!

Se você ainda tem dúvidas, basta refletir: a sua melhor performance acontece em quais tipos de ambientes? Aqueles de extrema tensão e hostilidade, ou aqueles em que você se sente confiante e apoiado pelos demais? Se a sua resposta foi SIM para a última opção, então você entendeu por que a empatia é tão importante neste momento.

O único ponto de atenção aqui é que você busque evitar assuntos muito pessoais como número de filhos, tempo fora do mercado de trabalho, relacionamentos amorosos etc., pois esses temas podem ser sensíveis para o outro. E aquelas coisinhas óbvias né…tome cuidado com o tom de voz e as palavras utilizadas. Afinal, não se esqueça que você está lá para uma entrevista e o recrutador está sempre com um olho em você.

Estude e se conecte com os valores da empresa

Que você precisa estudar sobre a empresa e suas principais características, eu sei que você já sabe. Mas o que talvez você não saiba é que uma das coisas mais importantes é estudar sobre os valores da empresa. E o que são eles? Os valores são as atitudes e crenças da empresa, e são eles que mostram os principais comportamentos esperados dos funcionários que trabalham lá. Nem todas as empresas chamam isso de valores. Algumas chamam de normas culturais, outras chamam de pilares, mas todas possuem valores. Eles geralmente ficam exibidos no site institucional da empresa, com o intuito de fazer com que as pessoas saibam mais sobre a organização, inclusive você.

Muito mais do que saber todos os valores da empresa, você precisa entender o que eles significam e como eles se relacionam com os seus. Para isso, você precisa saber quais são os seus valores, e isso requer um pouco (ou muito) autoconhecimento. Tire um tempinho para refletir sobre as coisas que são importantes para você, suas crenças, suas principais características, as coisas que você valoriza, os limites que você jamais cruzaria, e o que te anima na vida. Essa reflexão pode te ajudar a encontrar os seus valores.

Depois, escreva em uma lista todos os valores da empresa e busque pontos em comum. Se a empresa tem Protagonismo como valor, busque momentos na sua vida em que você teve comportamentos protagonistas. Um projeto desafiador que iria melhorar o desempenho da sua área e você encarou de frente, aqueles meses em que você vendeu brigadeiros para os colegas na faculdade para pagar os cursos extracurriculares que você achava importante fazer, os semestres que você foi representante de classe. Esses podem ser alguns exemplos de comportamento protagonista que você teve ao longo da sua trajetória de vida. Traga esses exemplos que você encontrou de forma natural durante a conversa. Sabe aquela pergunta: Por que você quer trabalhar aqui? Esse é o momento de você unir os valores da empresa aos seus e mostrar, com exemplos, que você compartilha das mesmas crenças e atitudes da empresa.

Essa reflexão não é importante somente para te ajudar durante a entrevista, mas também para que você tenha um momento para pensar se possui pontos em comum com a organização e se o ambiente de trabalho está alinhado ao que você busca.

Entenda a linguagem da empresa

Quando eu falo de linguagem, não é só a linguagem verbal, mas a linguagem visual também. É preciso entender como a empresa e seus colaboradores se expressam no dia a dia do trabalho. Para quem não está dentro da empresa pode ser mais difícil descobrir, mas existem alguns meios para se fazer isso.

Busque os funcionários da empresa em redes sociais, principalmente no Linkedin. Lá você consegue ver as publicações de posts e artigos dos funcionários, o que pode te dar uma noção de como eles se expressam. A linguagem usada é mais casual ou é mais formal? Eles utilizam palavras mais simples ou preferem palavras mais robustas? É comum encontrar posts com emojis, gifs, etc? Principalmente no Linkedin (por ser uma rede social voltada para o mundo profissional), os funcionários refletem bastante o seu perfil do dia a dia de trabalho, e este pode ser um meio para você conhecer mais sobre o comportamento valorizado pela companhia.

Se você tiver a oportunidade, dê uma volta nos arredores da empresa alguns dias antes da sua entrevista, repare na forma como os funcionários falam e se vestem. Aproveite esse momento para ver como você se sente no ambiente. Você vai passar pelo menos 6 horas do seu dia neste local, vai conviver com essas pessoas, porisso é importante que você se sinta bem e confortável no local de trabalho.

Busque além do que é diretamente exposto pela empresa, e comece a ler nas entrelinhas. Se a empresa está passando por mudanças na cultura organizacional, existe uma grande chance de que uma parcela dos atuais funcionários não reflita o que a empresa busca em novos colaboradores. Nesse caso, entenda a mudança que a companhia está passando e busque incorporá-la. Se a empresa acabou de abolir o dress code, começou a falar sobre inovação, criatividade, cultura ágil, transformação digital, então ela está indo em uma direção de diminuição de estruturas hierárquicas, verticais e formais. Se você fizer essa leitura e souber como se expressar de forma que mostre que essa é sua identidade também, ganhará pontos.

Depois de entender a linguagem da empresa, uma boa ideia é você buscar formas de incorporá-la no dia da sua entrevista. Utilize roupas, fala, trejeitos, e qualquer outra forma de expressão que mostre sinergia com os demais funcionários da empresa. Se as pessoas se vestem com trajes sociais, vá de roupa social. Se as pessoas se vestem com roupas mais despojadas, vá com uma roupa mais despojada. Se as pessoas são mais formais, seja formal. Se as pessoas forem mais informais, seja informal.
O recrutador busca alguém que tenha a identidade da empresa e uma boa forma de você mostrar isso para ele é se expressando como a empresa se expressa. Lembre-se sempre: não mude as características que te definem para se adaptar à empresa. Se você se sente extremamente desconfortável usando uma roupa social e viu que o dress codeé roupa social, talvez este não seja o lugar correto para você e seja mais benéfico procurar uma empresa que tenha uma identidade mais próxima à sua.

Faça perguntas

Essa dica talvez não seja tão nova para você, mas eu acho importante relembrar. A entrevista não é apenas um momento para que o recrutador te conheça melhor, mas é um momento para que você conheça melhor a empresa e a área da vaga que você está se candidatando. Perguntar é a melhor forma de conhecer melhor alguma coisa, e existem milhares de particularidades que não estão escritas no site da empresa e nem na descrição da vaga, então a única forma de você saber é perguntando.

Tire as dúvidas sobre questões que te chamaram a atenção na conversa com o recrutador, alguma informação no site da empresa que você não entendeu bem, e outros questionamentos que você tenha. Além das perguntas especificas para cada posição, existem 3 perguntas estratégicas que eu sempre faço e que se enquadram em quase todos os contextos:

-Como o ocupante desta vaga poderia contribuir para os principais projetos em andamento na empresa?

-Quais são os principais desafios e oportunidades deste cargo? E do setor?

-Quais as características mais importantes para a pessoa que vai ocupar essa posição?

Essa é uma excelente oportunidade de mostrar para o recrutador que você tem mais do que o que é preciso para ocupar a vaga. Como? Eu te explico!

Vamos usar como exemplo a primeira pergunta. Ela mostra que você é uma pessoa proativa, que quer encontrar meios de gerar impacto e contribuir para o crescimento da empresa. Talvez o recrutador não tenha certeza sobre os detalhes da atuação de determinado cargo nos projetos da empresa, mas ele tem uma noção geral e pode compartilhar com você. Se ouvir atentamente à resposta, você consegue criar conexão com projetos e atividades que realizou em outras oportunidades profissionais e até mesmo estudantis, e compartilhar isso com o recrutador. Usando uma simples pergunta que ele provavelmente nem te faria, você consegue a oportunidade de mostrar características positivas suas e mais uma forma de agregar valor caso seja contratado.

Essa estratégia é muito valiosa, mas tome cuidado para que não seja um tiro no pé. Você precisa ser rápido para pensar na associação que vai fazer entre a resposta do recrutador e o que você irá responder, ao mesmo tempo que deve estar muito atento ao que o recrutador está falando. Não fazer nenhum comentário depois da resposta do recrutador mostra que você não se identificou com o que ele respondeu, e isso pode ser prejudicial para você. Imagine que o recrutador responde que a principal característica para o ocupante da posição é ser analítico. Se você não tiver nenhum comentário a fazer depois desta resposta, o entendimento do recrutador será de que você não conseguiu encontrar na sua trajetória devida argumentos que comprovem que possui essa característica, e você dará a ele um motivo para não te contatar.

Processos seletivos não são e não devem ser motivo de medo por parte dos candidatos. É uma oportunidade de compartilhar um pouco mais sobre você e sua trajetória, e buscar pontos em comum entre o que você pode oferecer para a empresa e o que a empresa pode oferecer para você. O recrutador nada mais é do que um indivíduo, que é tão ser humano quanto você, buscando a conexão entre o seu perfil e o perfil da vaga, por isso não o transforme em mais do que ele realmente é.

Estas foram algumas dicas que não são tão comentadas, mas que são importantes e podem te oferecer um diferencial frente aos demais candidatos. Espero que você aproveite e possa utilizar nos próximos processos seletivos que participar!

*Iris Neves é pós graduanda no curso de Gestão Estratégica de Recursos Humanos na Universidade Presbiteriana Mackenzie e graduada em Administração pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Já atuou nas áreas de Desenvolvimento Organizacional, Engajamento e Cultura, Treinamento, Consultoria Interna de Recursos Humanos, e atualmente é Analista de Recursos Humanos. Adepta à práticas de meditação e amante de corridas de rua, Iris escreve quinzenalmente no Jornal Cotia Agora sobre temas ligados ao ambiente empresarial, principalmente voltado para práticas de Recursos Humanos dentro das organizações.

Contatos: E-mail: [email protected]
Linkedin: https://www.linkedin.com/in/iris-neves-051225149/
Instagram: @iriisneves