Consumo e venda de moluscos estão proibidos no Estado de São Paulo

Restrição vale para os provenientes das regiões costeiras de São Paulo, Paraná e Santa Catarina 

Em virtude do fenômeno maré vermelha, que atingiu o litoral brasileiro e é resultado do aumento da floração de algas com potencial tóxico, o Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo proibiu o consumo e a venda de moluscos bivalves (aqueles apresentam concha com duas peças fechadas por fortes músculos), como ostras, mexilhões, mariscos, berbigões e vieiras. Análises da Cetesb realizadas nas praias paulistas comprovaram a presença da microalga Dinophysis acuminata, potencial produtora da toxina.

Conforme a determinação, estão proibidos o comércio e o consumo dos estoques de moluscos bivalves disponíveis nos estabelecimentos comerciais do Estado de São Paulo, provenientes das regiões costeiras de São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

Quem for flagrado vendendo esse tipo de mercadoria receberá uma interdição cautelar, para averiguação da procedência e da data de congelamento do produto (se anterior ao período do fenômeno Maré Vermelha ou não). Se o produto não estiver próprio para o consumo, será inutilizado.

Riscos

Os moluscos bivalves filtram a água do mar e acumulam a substância tóxica proveniente das algas. O ser humano, ao ingerir um molusco contaminado, pode desenvolver quadros de paralisia, amnésia ou diarreia devido ao envenenamento.

Do Tribuna Online