Coluna de Rafael Oliveira: Kreator – O trash metal alemão

Estamos em época de pandemia do coronavírus, acho que assim como eu, vocês não aguentam mais ver os números sendo repetidos diariamente nos telejornais e todas as medidas sendo repassadas para manter a máscara e a higienização, mas mudando de assunto….Aproveitei para trazer essa pérola do thrash metal alemão, a banda Kreator e o disco negligenciado por mim mesmo há alguns anos, o Gods Of Violence (2017).

Digo negligenciado, pois não ouvi muitas faixas deste disco, apenas as principais e são elas que vamos falar hoje.
Aproveitei a virada do ano para ouvir este disco por completo e ainda começar 2021 com mais carga pesada do que NUNCA, sabemos que esse ano vamos precisar de muito gás e muita energia, então um som potente pode animar os motores e nos conduzir bem o processo.
Como sou cristão, Mórmon como algumas pessoas nos dizem, as vezes tomamos cuidado com letras e sons que fogem aos nossos padrões, mas isso nunca me impediu de poder comentar a respeito de obras e discernir com moderação sobre cada faixa dos discos que aqui apresento neste nobre canal.

A faixa de abertura, uma pequena introdução que se prolonga por um minuto, prepara os ouvintes para um começo de álbum muito forte da banda de Mille Petrozza. A faixa “World War Now”, estrategicamente colocada no início do registo é um sinal do que a banda se prepara para entregar durante as canções que compõem Gods of Violence, sobressaindo o seu interessante refrão. A faixa seguinte “Satan is Real” é a segunda demonstração de força do grupo, nunca largando quem ouve a faixa desde as primeiras notas. Seguimos até ao single que dá nome ao disco, possivelmente uma das melhores faixas do álbum, uma música forte, rápida, com um refrão no estilo clássico de Kreator e que muito faz por recordar os êxitos iniciais do grupo, com o pedal duplo da bateria a ressoar nos nossos ouvidos durante os quase seis minutos pelos quais se estende a música. O último destaque individual terá de ser dirigido a “Army of Storms”, a sexta música no alinhamento do álbum e que merece definitivamente uma audição, mas cuidada. Apresentando-se como uma das faixas mais interessantes dos últimos anos dentro do thrash metal, surge como uma boa surpresa durante o trabalho.

Conforme o Portal Whiplash e faço questão de mencionar a qualidade dessa impressão sobre o disco o seu autor declara:
“O trabalho de guitarras presente em “Gods of Violence” é de cair o queixo, e é uma das razões que fazem o disco tão especial. A interação entre Mille e Sami é quase telepática, em uma parceria que já dura dezesseis anos e acrescentou muito à sonoridade da banda. Isso, aliado ao trabalho de composição extremamente bem executado, faz com que tenhamos uma coleção de faixas não apenas empolgante, daquelas que colocam sorrisos contínuos no rosto durante a audição, mas também um conjunto de canções com potencial para figurar entre os grandes momentos da trajetória do Kreator”.

Já minha impressão pessoal sobre as canções: “Fallen Brother” (que ganhou um clipe bem legal homenageando ícones falecidos do metal como Dio, Lemmy e outros). Chama a atenção também a sutil semelhança, em um pequeno trecho nos acordes da introdução acústica da música que dá nome ao disco, com a clássica “Fade to Black”, do Metallica.

O álbum foi bem recebido pelas publicações do gênero, o que atesta a qualidade do albúm, que não parece arrastar-se e nunca ameaça tornar-se uma experiência difícil de ouvir. Mesmo o último terço do álbum, que apresenta canções menos fortes do que os destaques do registo, em nada mancha o trabalho no seu todo. Pedia-se apenas a Mille Petrozza e à restante banda que arriscassem e que por vezes saíssem da sua habitual linha musical, pois nos seus momentos mais fortes é palpável que a banda teria capacidade para ultrapassar as barreiras dentro das quais flutuam os seus trabalhos, o que seria certamente uma boa experiência tanto para os fãs da banda como para os fãs de música no geral.

Vamos ver o clipe de “Fallen Brother” a seguir:

Acesse os canais de mídia – Instagram: @kreatorofficial

*Por Rafael S. de Oliveira – Mórmon/SUD – Com oficio de Elder, Diretor de Assuntos Públicos e Especialista de Bem Estar, membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Vice-Presidente – O Observatório: Associação de Controle Social e Políticas Públicas da Zona Oeste de SP (mandato 2020-2023). Técnico em Políticas Públicas pelo PSDB (Partido da Social Democracia do Brasil), Engenheiro de Produção e ex-gestor por 3 grandes empresas (Luft Logistics, IGO SP e TCI BPO). Apresentador e Produtor pela Rádio Meteleco.Net (Programa Garimpo) e Colunista no Jornal Cotia Agora (Caderno de Música, Discos, Experiencias e Cultura).