Coluna de José Gleilton: Lumen GloriÆ e Santa Teresa do Menino Jesus

Ao concluir o seu Ato de Oferecimento ao Amor Misericordioso, Santa Teresinha pede ao Senhor que “as sombras estando dissipadas eu possa vos redizer meu Amor num Face a face Eterno!…” Toda a sua peregrinação está destinada a este “Face a face eterno”, ao Lumen Gloriæ.

Um dos livros que marcou Santa Teresinha foi o livro “O fim do mundo presente” do Abbé Arminjon, que lera na sua adolescência e juventude. Nele, Teresa encontra uma pergunta, de difícil resposta no seu tempo: “A criatura é suscetível de unir-se tão inteiramente a Deus a ponto de vê-lo Face a face? ”.

Para muitos, a resposta correta é de acordo com que o próprio Senhor disse a Moisés, sobre a montanha: “Não poderás ver a minha face, porque o homem não pode ver-me e continuar vivendo. ” (Ex 33,20)

Para Santa Teresinha, porém, é possível desde já, unir-se a Deus, mesmo sem vê-lo. E, a partir da resposta que Jesus dá a Filipe; (Jo 14,9) contemplando-o, já podemos contemplar a Deus. Jesus é a Face do Pai.

É nessa perspectiva, que podemos alicerçar a nossa consideração sobre a vocação do Lumen Gloriæ. Embora a visão face a face, se dê quando rompidos os véus; os seres humanos desde já podem pela graça, pela participação na sua vida divina, ter acesso ao Lumen Gloriæ, destinado aos eleitos.

Na origem desta vocação, está um chamamento divino, que Santa Teresinha lê no texto do Cântico dos Cânticos (Ct 1,3) e por ela comentado quase no fim do seu último manuscrito.

“Que é, pois, pedir para ser atraído, senão unir-se de uma maneira íntima ao objeto que cativa o coração? Se o fogo e o ferro tivessem a razão e se este último dissesse ao outro: Atraí-me, não provaria que deseja identificar-se com o fogo de maneira que o penetre e o impregne da sua ardente substância e pareça não ser senão um com ele?… Eis a minha oração, peço a Jesus para me atrair às chamas de seu amor, unir-me tão estreitamente a Ele, que ele viva e aja em mim. ” (Ms C 36r)

A vocação do Lumen Gloriæ consiste em atender à atração do Pai, (cf. Jo 6,44) para tornar-se um com o Filho, permitindo que ele viva e aja, pela ação do Espírito Santo.

A glória que reluz no coração do Lumen Gloriæ, que reflete da Face de Cristo, é antes de tudo um convite a deixar-se atrair e guiar pelo Pai, para que transformado na imagem do Filho, permitir que Ele viva e aja nele.

A participação do Lumen Gloriæ na glória do Pai, embora se consuma na eternidade, pode começar desde já e desenvolver-se (crescer) no decorrer da sua vida: “Porque os que de antemão ele conheceu, esses também predestinaram a ser conforme a imagem do seu Filho, a fim de ser ele o primogênito entre muitos irmãos.(Rm 8,29)

O Pai, no seu desígnio de amor, deseja contemplar em todos os redimidos a imagem do seu Filho. É o que Lumen Gloriæ recita: “Ó Jesus, Tu és o meu Redentor e o meu Rei, o meu Senhor e o meu Deus; faz resplandecer sobre mim a Tua Face divina e digna-te imprimir os seus traços em minha alma, de modo que o Pai contemple em mim os traços divinos do seu Filho. ”

Assemelhar-se a Cristo, unir-se a Ele, permitir que ele viva e aja em nós é o grande ideal dos que deixam que Deus os atraia e os guie.

Este ideal torna-se realidade, quando da contemplação da Face de Cristo, permitimos que os seus traços se reproduzam em nós, tornando-nos imagens suas. E isso, de acordo com as palavras do Apóstolo, torna-se possível unicamente pelo amor.

Na Face de Cristo, Deus faz resplandecer aos nossos olhos a sua glória! O que era impossível aos homens; (cf. Ex 33, 20) agora se tornou possível, pela condescendência do Verbo que se tornou semelhante a nós em tudo, menos no pecado.

Em Jesus – na sua Face – o Lumen Gloriæ vê reproduzida a imagem que ele é levado, a reproduzir pela sua fidelidade à graça, e a sua abertura ao amor, enquanto caminha para a visão “Face a face eterno.

*José Gleilton da Silva, 46 anos, casado, pai de dois filhos e duas netas é colunista do Jornal Cotia Agora. Nasceu na cidade de Iguatu, estado do Ceará. Chegou em Cotia em 1983 com 10 anos de idade juntamente com a família e irmãos. É o primogênito de cinco irmãos. Contabilista e Bacharel em Direito, apaixonado por leituras e livros, não E-BOOK. A tecnologia às vezes atrapalha. Tem preferência pelos livros da ALICE WALKER (escritora americana), mas toda leitura é bem-vinda! Perseverante no trabalho e na vida, já trabalhou em diversas pastorais na Paróquia Nossa Senhora do Monte Serrate, em Cotia. Atualmente faz parte da OCDS – Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares, da Comunidade SANTA TERESA BENEDITA DA CRUZ, em Cotia. Também foi aceito e é Associado na Academia Marial do Santuário Nacional – Aparecida. Vem se inspirando na vida de SANTA TERESA DE JESUS (D´AVILA), para finalizar estudos de vida e um futuro livro para leigos.