Caixa vai liberar mais R$ 7,8 bilhões do FGTS

A Caixa Econômica Federal vai creditar R$ 7,8 bilhões nas contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de 88 milhões de trabalhadores até o final de agosto. O pagamento é referente à distribuição do lucro do fundo. Dessa forma, a rentabilidade das 245,7 milhões de contas chegará a 7,14%.

De acordo com dados divulgados em cerimônia no Palácio do Planalto, o resultado  líquido do FGTS no ano passado foi de R$ 14,555 bilhões. Com a distribuição dos resultados do fundo, serão creditados, em média, R$ 29,62 em cada conta. “É a primeira vez que o lucro do fundo está sendo distribuído com os verdadeiros donos do dinheiro”, disse o presidente Michel Temer.

Para o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, os trabaladores lutam há décadas para receber a remuneração do fundo no mesmo nível da inflação. “Com essa mudança, o FGTS terá 7,1% [de remuneração] e a inflação do ano passado foi de 6%. Depois de décadas o FGTS terá uma correção acima da inflação”, disse. O repasse dos resultados do FGTS aos trabalhadores foi instituído pela medida provisória que liberou o saque do valor das contas inativas do fundo.

O percentual de distribuição de resultado do FGTS, de acordo com a regra, é de 50% do resultado líquido do exercício anterior. A lei estabelece que os valores creditados nas contas dos trabalhadores sejam proporcionais ao saldo da conta vinculada apurada no dia 31 de dezembro do ano anterior.

Gilberto Occhi, presidente da Caixa, informou que a distribuição dos resultados do FGTS ocorrerá anualmente, com os depósitos sendo efetuados sempre até o dia 31 de agosto. Occhi disse ainda que a remuneração não fará parte do cálculo de uma multa rescisória. “Essa medida foi pensado no empregadores. Temos convicção que com essa medida o trabalhador e a sociedade saem ganhando com essa decisão”.

Segundo informações divulgadas pela Caixa, com a distribuição do lucro equivalente a 1,93%, a rentabilidade das contas do FGTS , nesse ano, sairá de 5,11% ao mês (3% mais TR), para 7,14% ao mês.

*Com informações da Agência Brasil