Brasil: 30 milhões sofrem com enxaqueca

Náusea ao andar de carro na infância pode indicar enxaqueca no futuro. Quando a dor acontece mais de duas vezes na semana é necessário começar um tratamento preventivo

Quem sofre com dores de cabeça sabe bem que alguns compromissos acabam sendo desmarcados em cima da hora, por causa da dor. Também guardam ressentimento daquele evento desfalcado, além de trocar encontros com a família por um quarto escuro e silencioso. Um neurologista, então, é consultado e, se o diagnóstico for enxaqueca, é preciso, o quanto antes, tratar as crises e prevenir o surgimento delas.

Aproximadamente 30 milhões de brasileiros sofrem com enxaqueca. Com crises que duram entre quatro e 72 horas. Quando as crises acontecem mais do que duas vezes na semana é preciso fazer um tratamento preventivo para evitar que elas apareçam com tanta frequência e diminuir o uso de remédios para a hora da crise. Analgésicos comuns não são recomendados em casos de enxaqueca por causa do efeito rebote. O organismo pode “acostumar” com o composto e responder com mais dor.

O tratamento para o problema é composto por anti-inflamatórios específicos para esse fim. Um novo medicamento, composto pela combinação de sumatriptana e naproxeno é mais uma opção para os neurologistas receitarem em casos específicos. O medicamento se propõe a diminuir a ressaca causada pela dor, quando há ainda uma sensação dolorosa depois de uma crise.

A neurologista Célia Roesler, vice-coordenadora do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia explica que, além de medicamentos preventivos, algumas mudanças de hábitos ajudam a prevenir as crises, como praticar ioga, tai chi, Pilates ou técnicas de respiração e meditação. Isso acontece porque essas atividades aumentam a endorfina circulante no organismo, diminuindo o risco de ter dor.

Criança também tem enxaqueca

Erra quem pensa que só adultos sofrem com a enxaqueca. Crianças, embora muitas vezes não apresentando a dor propriamente dita já dão sinais, desde cedo, de que terão o problema. Os sinais indicativos podem ser vômitos, dores nas pernas – que muitos confundem com a dor do crescimento -, terror noturno, fazer xixi na cama até a idade em que isso não é mais natural, ter pesadelos, intolerância a movimentos e passar mal ao andar de carro ou ônibus.

Quando adultos, as crises de dor de cabeça podem começar para valer e mulheres são mais afetadas do que homens, em uma proporção de três para um. Noites mal dormidas podem desencadear uma crise, tensão pré-menstrual, dieta desequilibrada e até alguns alimentos saudáveis que, em alguns enxaquecosos, pode causar a dor. Para uns, queijos podem causar a dor. Em outros, uma inofensiva melancia pode desencadear uma crise. Há quem não pode se dar ao luxo de beber nem ao menos a um gole de vinho.

A neurologista explica, no entanto, para que o alimento seja associado como desencadeador da dor, a enxaqueca deve ocorrer em até 12 horas depois da ingestão do alimento. Depois disso, não foi o alimento o causador da dor.

Do iG