Bióloga Tatiana Silva: Entendendo um pouco sobre evolução biológica

Ao contrario do que algumas pessoas pensam, a evolução biológica nem sempre tem a ver com superioridade. Na verdade a evolução consiste na adaptação e mudança nas características hereditárias de grupos de organismos ao longo das gerações.

A evolução, explicando basicamente, é a mudança das características hereditárias de uma determinada população de uma geração para outra. Este processo evolutivo faz com que as populações de organismos mudem ao longo do tempo. Característica hereditária é a expressão gênica de genes que são passados aos descendentes durante a reprodução.

Mutações em genes podem produzir características novas ou alterar características que já existiam, resultando no aparecimento de diferenças hereditárias entre organismos. Estas novas características também podem surgir da transferência de genes entre populações, como resultado de migração, ou entre espécies, resultante de transferência horizontal de genes (processo em que um organismo transfere material genético para outra célula que não é sua descendente). Os grupos descendentes que foram formados passam a se modificar de forma independente. Portanto, numa perspectiva de longo prazo de tempo, a Evolução é a descendência, com modificações, de diferentes linhagens (espécies) a partir de ancestrais comuns.

Mas, a evolução biológica não pode ser pensada apenas como uma questão de mudança pelo tempo. Várias coisas mudam com o tempo, mas a evolução envolve descendência através de herança genética.

O processo da evolução gera um padrão de relacionamentos entre espécies. Conforme as linhagens evoluem e se separam e alterações genéticas são herdadas, seus caminhos evolutivos divergem. Isso produz um padrão ramificado de relações evolutivas. As alterações e relações evolutivas são representadas em “arvores genealógicas”, que chamamos de arvore filogenética.

Nós biólogos usamos arvores filogenéticas para, por exemplo, testar hipóteses sobre evolução, conhecer características de espécies distintas e linhagens ancestrais e classificar os organismos.

Assim como as arvores genealógicas, as arvores filogenéticas também mostram padrões de ancestralidade. Porem, para descobrirmos o histórico das linhagens evolutivas, é preciso coletar e analisar evidencias que são utilizadas para formar uma hipótese sobre sua ancestralidade e como estão relacionadas com outros organismos. São coletados dados sobre traços hereditários, morfologia (característica física), sequencias genéticas e características comportamentais e a partir daí é montada sua filogenia.

*Tatiana Silva é graduada em Ciências Biológicas pela UMC- Universidade de Mogi das Cruzes e escreve mensalmente no Cotia Agora